sexta-feira, 27 de abril de 2012



Esse ano completo os primeiros 30 anos de carreira em minha vida, mas já era ligado no rádio desde mais cedo. Lembro com nitidez a primeira vez em um estúdio de rádio, a primeira vez no ar, o primeiro erro de leitura, o primeiro sucesso no ibope e tantas outras emoções no ar. 

O estúdio me curou de dores incuráveis, a solidão na madrugada me ajudou a pensar e as manhãs de trânsitos e notícias me deixaram ansioso, os equipamentos se transformando e a informática chegando me obrigaram a aceitar e aprender.

Aprendi muita coisa e não entendi outras tantas. Confundi amizade com casamento e na menor emissora descobri o amor, outro casamento e tres filhos. Conheci muita gente, mas poucos amigos. Com um deles surgiu minha vocação para o ensino. 

São só 30 anos, mas já são 30 anos. O Rio era outro e eu também. Me achava o cara, quando o cara mesmo me fez aprender que ninguém é melhor que o outro ao lado. Já demiti e já fui demitido, vi rádios começarem e acabarem, injustiças, vi gravadoras mandando e gravadoras mendigando, vi fantasmas, tentei esquecer o rádio e descobri que ele é inesquecível.

Agulhas pularam no vinil, cartuchos estiveram fora do ponto, carbono sujou a mão, cassetes enrolaram, ibope lá no alto e lá no chão, muitas músicas e até Beatles fui obrigado a tocar.

Estou feliz pegando fôlego para mais 30! 




Esse ano completo os primeiros 30 anos de carreira em minha vida, mas já era ligado no rádio desde mais cedo. Lembro com nitidez a primeira vez em um estúdio de rádio, a primeira vez no ar, o primeiro erro de leitura, o primeiro sucesso no ibope e tantas outras emoções no ar. 

O estúdio me curou de dores incuráveis, a solidão na madrugada me ajudou a pensar e as manhãs de trânsitos e notícias me deixaram ansioso, os equipamentos se transformando e a informática chegando me obrigaram a aceitar e aprender.

Aprendi muita coisa e não entendi outras tantas. Confundi amizade com casamento e na menor emissora descobri o amor, outro casamento e tres filhos. Conheci muita gente, mas poucos amigos. Com um deles surgiu minha vocação para o ensino. 

São só 30 anos, mas já são 30 anos. O Rio era outro e eu também. Me achava o cara, quando o cara mesmo me fez aprender que ninguém é melhor que o outro ao lado. Já demiti e já fui demitido, vi rádios começarem e acabarem, injustiças, vi gravadoras mandando e gravadoras mendigando, vi fantasmas, tentei esquecer o rádio e descobri que ele é inesquecível.

Agulhas pularam no vinil, cartuchos estiveram fora do ponto, carbono sujou a mão, cassetes enrolaram, ibope lá no alto e lá no chão, muitas músicas e até Beatles fui obrigado a tocar.

Estou feliz pegando fôlego para mais 30! 


quinta-feira, 5 de abril de 2012


Lá estou eu de novo em dívida com o blog. Essa obrigação de ter que escrever sempre me desanima. nada grave, mas é chato ter que descobrir assunto e pesquisar coisas que nem sempre são interessantes. Postar por postar não é legal, né? Mas vamos lá: Estou de novo na SulAmérica Paradiso pelas manhãs do Rio. De segunda a sábado em 95,7Mhz. Bom feriado a todos!



...

Lá estou eu de novo em dívida com o blog. Essa obrigação de ter que escrever sempre me desanima. nada grave, mas é chato ter que descobrir assunto e pesquisar coisas que nem sempre são interessantes. Postar por postar não é legal, né? Mas vamos lá: Estou de novo na SulAmérica Paradiso pelas manhãs do Rio. De segunda a sábado em 95,7Mhz. Bom feriado a todos!



...